Diástase abdominal, o que é? E será que tenho?

Foi logo depois da minha primeira gravidez, que notei diferença na forma e no aspecto da minha barriga (não… não é minha a barriga da fotografia a cima. A minha desculpem mas não está capaz de ser entregue ao mundo).
Sempre tive um físico estilo “pêra”, barriga lisa, anca larga, mas foi depois primeira gravidez que tive de começar a lidar com uma novidade: Barriga nova, grande barriga nova!

Sabia que o corpo mudava, mas nunca calculei que mudasse tanto. Sempre tive exemplos mais bons ao meu lado, de Mulherões cheios de uma genética estupenda, a começar pela minha Mãe que depois de 7 gravidezes, manteve um corpo exemplar (como eu nunca pensei). Até chegar a minha vez…. e sentir este assunto da mudança do corpo difícil de encarar.

Afinal muda, e muda muito.

Hoje não vou aprofundar o tema mudança do corpo (escrevo sobre ele num próximo texto), mas queria aprofundar o tema diástase do recto abdominal, que pode estar ligado (ou não) a esse tema barriga aparentemente maior. E para que todas vocês possam perceber se têm este problema e como o podem resolver, decidi juntar-me a duas fisioterapeutas queridas, a Vera e a Carolina.


São as minhas professoras de Pilates, e são fisioterapeutas no espaço MOM & ME (clique aqui para conhecer mais sobre o projecto), em Campo de Ourique, onde vou com o meu Fernandinho às terças e quintas a aulas de Pilates, que adoro.
Este espaço, é totalmente pensado em nós Mães e nos nossos bebés, com tudo o que precisamos mas principalmente e mais importante: O companheirismo e compreensão, na certeza de que lá dentro estamos todas no mesmo barco, sem julgamentos e muita inter-ajuda.

Aqui fica a nossa conversa, espero que vos ajude a desmistificar este tema.

MU- Olá Carolina e Vera, tudo bem?
Peço-vos que se apresentem às minhas miúdas, para que possam ficar a conhecer-vos um pouco melhor.
C&V – “Olá somos a Carolina Proença e a Vera Braga da Costa, fisioterapeutas especializadas na área da saúde da mulher e do pilates, fazemos parte da equipa Mom&Me com as nossas aulas de pilates pré e pós parto, fitness e com as classes de preparação para o nascimento.”

Hoje vamos falar sobre a diástase do reto do abdómen, mais conhecida por separação dos abdominais. É um problema comum que acontece a todas as mulheres grávidas mas que nem sempre fecha naturalmente depois da gravidez. Acontece mais frequentemente a Mães que tenham tido mais do que um bebé e até de gémeos.

MU – Depois de ter o bebé a minha barriga continua grande significa que tenho diástase?

C&V – “Não isso está apenas relacionado com o volume abdominal, é normal que a barriga não volte ao sítio nos primeiros meses depois de ter tido o bebé. Isso tem a ver com a regressão do útero ao seu tamanho e sítio habitual e com a camada extra de gordura, ganha durante a gravidez.”

MU – Como é que eu posso identificar se tenho diástase?

C&V -“Se fizer um abdominal simples e colocar os seus dedos na linha alba vai perceber se tem uma falha na parede abdominal ou se esta continua integra. O mais correto é dirigir-se a um profissional de saúde especializado que faça avaliação da diástase até porque nem todas são iguais e por vezes pode haver indicação para correcção cirúrgica.”

MU -É possível tratar a diástase?

C&V – “Sim. Depois de identificado o ideal é realizar exercício físico de baixa intensidade como o pilates que trabalhe os abdominais de dentro para fora. Ou seja em vez de nos focarmos em fazer abdominais puros de levantar o tronco do chão, fazer exercícios que trabalhem primeiro o transverso do abdómen e os abdominais oblíquos ou seja associados a rotação e inclinação do tronco.”

MU -O que acontece se eu fizer abdominais normais?

C&V -“O que acontece é que as fibras musculares estão desviadas da sua posição normal, se fizer fortalecimento muscular e o músculo estiver desviado ele vai ficar forte mas desviado, isso vai causar problemas a longo prazo na coluna porque a base forte de estabilidade do tronco está alterada.”

MU -Se eu usar uma cinta pós parto pode ajudar a diminuir a diástase?

C&V – “Não. A Cinta pós parto só vai tornar o trabalho dos abdominais ainda menos eficiente, porque provoca a falsa sensação de estabilidade da coluna, estando a fazer o trabalho pelos abdominais.”

 

Se não conseguirem auto-avaliarem-se peçam ajuda. Se não conhecerem ninguém próximo, marquem com a Vera ou a Carolina, e invistam em vocês próprias e no vosso bem-estar. Sobretudo porque merecemos e se não formos nós a cuidar de nós mesmas, quem será?
Espero que este pequeno artigo vos tenha sido útil.
Obrigada à Vera e Carolina, espreitem o trabalho delas no IG, aqui.

No Comments

Post A Comment